Fadas na Cultura Celta da Irlanda

  11/05/2018
As fadas da cultura celta da Irlanda são tão reais quanto os mortais e têm suas casas, costumes, governos, estradas, animais de estimação, mudanças de humor e até preferências por cor de roupa.

The Meeting of Oberon and Titania (Arthur Rackham, 1908)

As fadas são encontradas em muitas culturas e mesmo quando comparamos os países de Cultura Celta, como Escócia, Irlanda e Wales, as lendas sobre os feéricos são bastante diversas. Dentre elas, as histórias das fadas irlandesas da Cultura Celta são as mais utilizadas como referência tanto por autores de romances feéricos quanto por praticantes da Bruxaria Feérica.

Segundo o povo celta da Irlanda, as fadas são tão reais quanto os mortais. Elas têm suas casas, costumes, governos, animais de estimação, mudanças de humor e até preferências por cor de roupa.

Eu já havia falado um pouco sobre as fadas da cultura celta nesse post aqui. Dois anos se passaram desde então e eu aprendi mais ainda sobre esses seres incríveis. Então estou escrevendo essa versão atualizada daquele post, com ainda mais detalhes e curiosidades sobre os feéricos <3

1. Como se chamam as fadas da Irlanda?

Na Irlanda as primeiras expressões que se referiam às fadas eram daoine sí e aos sí, sendo que as duas significam “povo das colinas feéricas”. Apesar disso, as histórias antigas não se referem às fadas por esses nomes, mas sim por eufemismos, que são palavras usadas para diminuir o peso de outra palavra.

Acreditava-se que caso as fadas ouvissem alguém as chamando de daoine sí ou aos sí elas poderiam trazer má sorte para a pessoa. Os eufemismos começaram a ser usados para lembrar as fadas de sua habilidade de fazer o bem, caso elas estejam ouvindo. Alguns desses eufemismos são: Bom Povo, Bons Vizinhos, Nobreza e Povo Justo. Acredita-se que a expressão fairy tenha surgido da junção das palavras Fair Folk, que significam Povo Justo.

2. Qual é a aparência física das fadas na cultura celta?

A forma como imaginamos as fadas hoje é bem diferente daquela imaginada pelos celtas da Irlanda, especialmente devido à influência de peças de teatro, poemas, livros e ilustrações criados na Era Vitoriana.

Nas antigas histórias, as fadas são descritas como sendo muito semelhantes aos humanos, nada de orelhas pontudas nem asas. Em muitas dessas histórias os humanos até se confundem, acreditando a princípio que a fada também é um humano, até que alguma coisa na fala ou no jeito do feérico denuncia sua natureza.

Nas histórias as fadas aparecem como criaturas pálidas e muito bonitas, com os cabelos loiros ou castanhos (nada de cabelos ruivos como a cultura pop nos faz acreditar!). Elas costumam estar finamente vestidas, principalmente nas cores verde e cinza. As fadas podem aparecer sozinhas ou em grupos e serem homens ou mulheres.

Além disso, as fadas costumam aparecer cavalgando excelentes cavalos e na companhia de cães de caça; geralmente esses animais são preto, branco ou cinza.

Lembrando que essas fadas fisicamente semelhantes aos humanos são a nobreza do povo feérico. Existem diversos outros tipos de fadas com aparências das mais diversas, como trolls, pixies e brownies.

As fadas da cultura celta da Irlanda são tão reais quanto os mortais e têm suas casas, costumes, governos, estradas, animais de estimação, mudanças de humor e até preferências por cor de roupa.

The Fairie’s Banquet (John Anster Fitzgerald, 1859)

3. Como é o sistema de governo das fadas na cultura celta?

As fadas são governadas por uma monarquia e se dividem em duas cortes, que na Irlanda eram chamadas de “fadas boas” e “fadas más”. Na Escócia essas cortes eram chamadas de Corte Seelie, que significa Corte Abençoada, e Corte Unseelie, que significa Corte Não Abençoada.

Nas lendas irlandesas, às vezes as duas cortes batalham durante a noite e deixam vestígios de sangue feérico, um líquido branco, que as pessoas vêem pela manhã. Atualmente muitos livros de fantasia usam esse mesmo sistema de cortes para descrever a organização das fadas.

Apesar dessa divisão, as antigas histórias mostram que mesmo as fadas boas devem ser tratadas com muito respeito, sempre se evitando ao máximo fazer algo para enfurecê-las. Mesmo uma fada boa não vai pensar duas vezes antes de prejudicar um humano se ela achar que ele merece.

4. Onde as fadas da Irlanda vivem?

A expressão daoine sí, ou “povo das colinas”, já revela que no folclore irlandês as fadas moram no interior oco de colinas. Uma delas é a colina de Tara, onde se passa a lenda contada nesse post sobre como a filha do sapateiro se tornou a rainha de Tara. Essas colinas são entradas para a Terra das Fadas, que na mitologia celta é chamada de Outro Mundo.

As fadas também estão associadas a ilhas, pântanos, lagos, árvores e o ar. Apesar dessa associação, as fadas não estão de forma alguma limitadas a esses lugares, nem a áreas ao redor deles. Na verdade, elas costumam mudar de casa algumas vezes por ano e até viajar!

Existem caminhos invisíveis para os mortais, chamados de Estradas Feéricas, que ligam uma colina feérica a outra. As fadas viajam nessas estradas especialmente a noite e em datas especiais chamadas quarter days. Essas datas são quatro dias que foram instituídos na Irlanda e na Inglaterra para a comemoração de festivais religiosos, sendo elas Imbolc em fevereiro, Beltaine em maio, Lughnasa em agosto e Samhain em novembro.

Acreditava-se que nesses dias as fadas andavam em grupos de uma colina para a outra ao longo de Estradas Feéricas e assim mudavam da sua residência de verão para a de inverno e vice e versa. Nessas épocas é bastante perigoso encontrar as fadas numa dessas estradas à noite e por isso muito cuidado deve ser tomado para evitar entrar em conflito com elas.

As fadas da cultura celta da Irlanda são tão reais quanto os mortais e têm suas casas, costumes, governos, estradas, animais de estimação, mudanças de humor e até preferências por cor de roupa.

Twilight Dreams (Arthur Rackham, 1913)

5. Quais são os sinais de que as fadas estão por perto?

As fadas geralmente são invisíveis aos olhos humanos, porém, a presença e especialmente a passagem delas pode ser percebida pelo som de cavalos, cães de caça e cavaleiros, ou de risadas, conversas e música.

As fadas costumam passar despercebidas entre os mortais porque elas usam a magia do glamour para se misturar. O glamour é um dos poderes feéricos mais famosos! Ele pode enganar os sentidos mortais e fazer uma pessoa acreditar que uma coisa na verdade é outra.

Essa magia é vista em muitas histórias sobre as fadas nas quais, por exemplo, uma pessoa acredita que m monte de folhas na verdade é uma pilha de moedas de ouro. Para dissipar esse glamour das fadas e voltar a ver a realidade as histórias antigas falam de várias técnicas e você pode conhecê-las nesse post aqui.

Às vezes as fadas podem ser vistas por uma pessoa que tenha a Visão, que é uma habilidade natural de enxergar o Outro Mundo. Outras vezes elas são vistas por pessoas que já as encontraram antes e por algum motivo ainda conseguem vê-las.

Muitas histórias contam sobre uma parteira que foi chamada para ajudar no parto de um feérico e que depois encontrou um dos pais da criança ou uma das outras parteiras no mercado da cidade. Nessas ocasiões, os feéricos perguntam com qual olho a parteira os estava vendo e cegam aquele olho. Às vezes eles até matam a pessoa na hora! Dá para perceber que as fadas não querem ninguém bisbilhotando a vida delas.

Os feéricos também podem aparecer como um estranho na porta pedindo algo emprestado – ou precisando de leite ou um carvão para o fogo -, sozinho num campo ou floresta, ou podem ser encontrados numa estrada, especialmente nas encruzilhadas.

Construir em cima ou na proximidade de uma Estrada Feérica é outra forma de perceber a presença das fadas. Segundo as antigas histórias qualquer um que fizesse uma construção nesses locais seria atormentado pelas fadas com má sorte e às vezes até com a morte dos envolvidos. Uma forma de amenizar esse problema era abrir uma porta no local da casa em que a procissão feérica passa todas as noites ou até mesmo deixar portas e janelas abertas a noite para as fadas poderem passar.

Também existem histórias sobre as Fairy Ride, que são procissões a cavalo realizadas pela nobreza das fadas. Essas procissões costumam acontecer em momentos específicos do ano como no quarter day Samhain e no Solstício de Verão. Cruzar com uma Fairy Ride pode ser perigoso, pois para levar os humanos que encontrar pelo caminho para a Terra das Fadas.

No geral, as fadas estão especialmente ativas nos quarter days, no crepúsculo e à meia-noite.

As fadas da cultura celta da Irlanda são tão reais quanto os mortais e têm suas casas, costumes, governos, estradas, animais de estimação, mudanças de humor e até preferências por cor de roupa.

The Changeling (Arthur Rackham, 1905)

6. As fadas podem raptar os mortais?

As fadas são conhecidas por raptarem humanos para se casarem e terem filhos com eles. Muitas histórias antigas contam sobre uma jovem noiva que é levada para o Outro Mundo no dia em que aconteceria seu casamento mortal. Ela então se casa com um homem feérico.

Segundo a cultura celta, a taxa de natalidade entre o povo das fadas é baixa e por isso eles usam mulheres e bebês humanos para aumentar seu próprio número. Para esse fim as fadas gostam de raptar noivas, bebês e crianças que tenham uma beleza fora do comum.

Os feéricos também levam para o Outro Mundo músicos e parteiras, mas esses geralmente são apenas emprestados por um tempo e depois devolvidos ao mundo mortal.

Eles também eram famosos por roubar gado e cavalos. Para isso, geralmente eles faziam com que o animal parecesse ficar doente e morresse. O que acontecia na verdade é que o animal era trocado por um changeling e era essa criatura que morria no mundo mortal, enquanto o gado ou o cavalo verdadeiro já haviam sido levados para a Terra das Fadas.

Segundo o folclore das fadas, um changeling pode ser um objeto ou uma fada velha ou à beira da morte que é deixada no mundo humano e disfarçada com a ilusão do glamour para se parecer com a pessoa que foi levada pelas fadas para o Outro Mundo.

Pelo conceito de changeling podemos perceber que Terra das Fadas e o mundo dos mortos está de alguma forma conectado na cultura celta. Diversas histórias antigas contam sobre uma pessoa que todos acreditam ter morrido, mas que logo aparece – muitas vezes em sonhos – para um ente querido e explica que na verdade ela foi levada para o Outro Mundo e pode ser resgatada de uma certa maneira. Uma das formas de resgate, por exemplo, é a pessoa viva ir até uma encruzilhada a meia-noite quando a Fairy Ride irá passar e então agarrar a pessoa que foi levada do cavalo em que ele ou ela está cavalgando.

As fadas da cultura celta da Irlanda são tão reais quanto os mortais e têm suas casas, costumes, governos, estradas, animais de estimação, mudanças de humor e até preferências por cor de roupa.

Dancing with the fairies (Arthur Rackham, 1906)

7. Afinal, as fadas irlandesas são boas ou más?

As fadas podem tanto abençoar quanto prejudicar as pessoas. Um dos principais motivos para os irlandeses tentarem sempre tratar os feéricos com o muito respeito e agradá-los é receber suas bênçãos e evitar a má sorte.

Nas antigas histórias, aqueles que eram considerados amigos das fadas podiam ter acesso a conhecimento especial e aprenderem sobre cura e magia. Caso o mortal amigo das fadas fosse um músico ele poderia receber uma grande habilidade musical.

Já quando as fadas eram desrespeitadas ou irritadas de alguma forma, elas podiam causar ferimentos, loucura e morte. Elfshot, por exemplo, é uma doença causada por uma flecha feérica invisível atirada no corpo do mortal por uma fada enfurecida. Essa flechada se apresentava como uma dor súbita, uma cãibra ou uma dor aguda na lateral do corpo.

Os feéricos têm a fama de dar presentes, mas esses presentes também podem ser uma benção ou uma maldição, uma vez que eles podem resultar em prosperidade, ou podem ser ilusões que viram folhas ao amanhecer.

8. Como se proteger das fadas

Sabendo que as fadas podem prejudicar os humanos, surgem dúvidas sobre como agradá-las e como se proteger das fadas mal-intencionadas. Existem muitas formas para se proteger desse tipo de fadas.

Nas histórias antigas, se uma pessoa estivesse sofrendo por receber a atenção negativa do Povo das Fadas um Fairy Doctor deveria ser procurado. Essa era uma pessoa com conhecimento especial sobre as fadas. Ela poderia diagnosticar o problema exato e inventar o feitiço, o canto ou a combinação de ervas apropriada para curar a pessoa.

Muitas histórias sobre fadas descrevem formas de se proteger da ira dos feéricos e você pode conhecer várias delas nesse post aqui.

As histórias do folclore das fadas são intrincadas e cheia de detalhes, quase dá para matar a curiosidade sobre como deve ser o Outro Mundo e a vida dos feéricos! Essas até fazem a gente imaginar que as fadas estejam mesmo vivendo entre nós, escondidas pela magia do glamour e só esperando pelo próximo mortal para raptar.

E você, o que achou mais legal sobre as fadas da Irlanda? Me conta nos comentários!

Referência: Fairycraft – Following the Path of Fairy Witchcraft, Morgan Daimler, 2016.

Você também pode gostar desses posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *